Conecte-se conosco

Cultura

12ª Kappesberg Fest conhece sua nova corte

Publicado

em

Não era uma noite qualquer em São Pedro da Serra. 17 de maio de 2019, ficará marcada, em especial, para três belas jovens, afinal, foram eleitas para reinar na festa maior do município e, também, representar a beleza da mulher do município.

Ainda que o nome da festa de São Pedro da Serra – a Kappesberg Fest – remeta à origem teuto-brasileira da sociedade local, esta é uma festa multicultural, de tal maneira, que poucas horas antes do evento de escolha das soberanas foram anunciado, pelos organizadores da festa, o primeiro show a ser realizado em fevereiro de 2020. Mas, o anúncio de George Henrique & Rodrigo, que se apresentará em 15 de fevereiro, não foi o ápice da noite, afinal, queriam todos saber quem haveria de reinar no evento que é o retrato local.

Com um corpo de jurados constituído por pessoas de vasta qualificação em diferentes áreas, como beleza, gestão e cultura, foi possível fazer uma avaliação criteriosa das sete candidatas, de modo que as três mais preparadas fossem eleitas. Diziam os mestres de cerimônia – Patrícia Löff e Régis Cristiano Hoff – que a escolha das soberanas tivera muitos critérios além da beleza, assim, ficava evidente que era necessário um algo mais para que as gurias fossem coroadas.

A alternância do local da passarela, trazida para o centro da quadra de esportes do ginásio poliesportivo não seria a única novidade da noite. O bom público presente não chegou a lotar o ambiente, que é gigantesco, mas fez bastante barulho, mostrando que as torcidas estavam atentas. As soberanas que se despediam, Monique Fritzen e Jaqueline Lubenov estavam presentes e fizeram bonito, representando, também, a rainha Roberta Klassmann, que vive na Alemanha. Mas, Roberta, quando da despedida, surgiu no telão, evidenciando o seu sentimento por sua terra e sua gente. Mesmo longe, a rainha, não esqueceu dos seus súditos, os mantendo bem perto de si.

A prefeita Isabel Joner Cornelius poderia ter condecorado a realeza, mas, deixou o estrelato para aquelas que se despediam. Assim, a prefeita e os secretários, renderam reverências à todos os presentes, entregando mimos para os jurados e, também, para todas as candidatas. Era o momento de mostrar que o município de São Pedro da Serra vê a todos, não somente aqueles que estão em maior evidência.

Veio então o anúncio das melhores torcidas da noite. Larissa Kayser surgiu, de cantinho, na passarela, para agradecer aos seus torcedores. Também o fez Camila Scherer, assim, ficava a expectativa de quem seriam as soberanas. E, aquela história de que a premiação de melhor torcida é prêmio de consolação, foi por água abaixo a seguir.

Com a realeza em seu sobrenome, Larissa Kayser foi a primeira a ser chamada. Estava para lá de radiante, saltitante até, rendendo-se à emoção. Era ela uma das princesas da corte. Quem seria a próxima?

Diferente do que acontecera anos antes, Amanda Patzlaff tinha o seu nome proclamado ao microfone e, a morena, surgiu como entre nuvens tamanho era o seu flutuar. Estava ali, agora, como princesa da Kappesberg Fest, evento que sempre quis representar.

“E a rainha é…. é…. Camila Eduarda Scherer”, anunciava o protocolo. Todos olhares voltavam-se à passarela para, logo em seguida, repleta de brilhos e sorrisos, surgisse a vencedora da noite. O coração batia acelerado, parecendo não mais caber dentro do peito. Sim, a espontânea Camila agora era rainha. Foi coroada por seis mãos, quatro na passarela, e duas que em emoção vinham da distante Alemanha. A corte que dera adeus coroara rainha e princesas em ato sucessório de puro sentimento.

E que venha fevereiro, com a sua programação na 12ª Kappesberg Fest. E que o tempo imortalize o trabalho da nova corte, junto com suas embaixatrizes e todos os que se envolverem no maior evento local.

Quanto às soberanas, Camila, quando do aniversário de São Pedro da Serra, em 20 de março, rendeu homenagem em alemão ao seu município, assim, agora, em quantos quer que sejam os idiomas, deseja, São Pedro da Serra, à sua corte, expansivo à comunidade, Viel Glück und Fröhlichkeit für alle (muita sorte e felicidade a todos).

Cultura

Festa dos Specht reúne mais de 500

Publicado

em

Imaginem o alvoroço que se tem quando se reúne 500 aves em um só lugar. E quando são picapaus? Assim o foi, ainda que de maneira muito organizada, a festa dos Specht (que é uma espécie de Picapau, na Alemanha).

A 6ª Specht Familiefest aconteceu em Salvador do Sul no dia 15 de setembro, tendo principiado com uma grande recepção em meio à praça central da cidade, seguindo depois com uma missa presidida pelo padre Zé Brandt, que é ligado à árvore dos Specht.

A decoração do salão comunitário, para onde foram conduzidas as 500 pessoas que participaram da missa – por uma bandinha típica, é claro – estava com ares de Alemanha, com o preto, o vermelho e o gold em evidência. Mesas postas e até cerveja com o nome da família. Melhor que isso só sabendo quando é a próxima festa. E ela está marcada, para 2021, em Pelotas.

A organização do evento foi primorosa, tendo tomado longas horas de estudos e ajustes, de modo que tudo estivesse nos conformes. E ainda assim há surpresas. Muitas delas compiladas para, quem sabe, serem relatadas em detalhes na próxima festa, afinal, festa de família é assim: uma contínua relação entre pessoas aparentadas e que antes nem haviam se visto na vida.

Salvador do Sul fez bonito em sua festa dos Specht, podendo até inspirar outros eventos com ares de kerb. Afinal, é possível fazer uma festa simples e bela.

Continuar Lendo

Bom Princípio

Emoção marca 10 anos de geminação com Klüsserath

Publicado

em

Quando chamados ao palco os alemães de Klüsserath se mostravam confortáveis, bastante serenos até, mas quando tomaram o microfone, a emoção aflorou, mostrando que a visita a Bom Princípio não era mero ato formal entre cidades, mas uma estreita relação de amizade.

Eram 13 pessoas vindas de Klüsserath em meio ao público da festa do Moranguinho, mas a sua representatividade ia muito além, afinal, estavam ali em nome dos mais de mil habitantes da comunidade e, também, dos antepassados que, com Guilherme Winter, colonizaram Bom Princípio no século XIX.

Eram pouco mais de 100 bom-principienses participando do ato que celebrava 10 anos de intercâmbio cultural, mas, assim como os alemães, a sua representatividade não poderia ser, em momento algum, contabilizada. Afinal, ali, no ato de celebração dos 10 anos de Intercâmbio Cultural entre Bom Princípio e Klüsserath, eram contadas histórias que trancendem ao tempo e ao espaço.

Os alemães, no palco do evento que celebrava a geminação de cidades, foram representados pelas falas do parlamentar regional, Helmut Reis, e pelo ex-prefeito Günter Herres. Enfatizaram, à sobremaneira, a importância do intercâmbio e da manutenção dele através do idioma. Estavam, por completo, realizados e felizes.

Marie-Sophie I. Schwarz, a rainha do vinho de Klüsserath, ladeada por suas princesas Lea Pfeiffer e Maike Briesch, fez uso da palavra e falou com sensibilidade digna de quem domina qualquer oratória. Foi precisa em dizer que viajara por milhares de quilômetros e mesmo assim se sentira em casa. Curvou-se para o público e rendeu agradecimentos pelo carinho e fraternidade existentes. Eleita duas semanas antes de vir ao Brasil, na nova corte do vinho estava radiante, pois pode apresentar os seus trajes oficiais e, mais, conhecer uma nova terra que, muito diferente do que imaginavam, é formada por pessoas que também falam em alemão.

Coube ao jornalista Alex Steffen fazer as traduções das falas dos alemães e também relatar em breve histórico o que foi realizado neste intercâmbio. O fez em dois idiomas, buscando traduzir as palavras de maneira não literal, mas tomadas de um realismo que fosse compreensível em português ou em alemão.

Foram lembrados todos aqueles que trabalharam pelo intercâmbio e, igualmente, enaltecido o esforço pioneiro do ex-prefeito Nestor Seibel, do professor Jacinto Klein e da pesquisadora Hedy Gattermann.

O vice-prefeito Joãozinho Weschenfelder, que era vereador e que assinou o primeiro decreto de intercâmbio – e que foi confirmado em lei pela atual Câmara de Vereadores, em 2019 – também fez uso da palavra. Lembrando de momentos deste intercâmbio e da ida a Klüsserath, em 2010. 

Já o prefeito Fábio Persch, que fala o alemão com um dialeto tipicamente regional do vale do Caí, não se fez de rogado, e usou do microfone também no idioma que aprendera com a sua avó. Finalizou dizendo que Bom Princípio e Klüsserath hoje não são mais duas cidades, mas sim uma só comunidade, unida por um sentimento maior de fraternidade.

Trocas de presentes foram feitas sendo os alemães e as autoridades, igualmente, agraciadas com uma revista de cunho histórico que aproxima ainda mais os dois municípios, afinal, a cultura se imortaliza através da escrita e da fala.

O ato como um todo deixou de ser simbólico quando do seu encerramento, pois permaneceram ali, junto ao palco, unidos, comemorando, alemães e brasileiros. Brindes não faltaram, assim como danças, afinal, uma boa bandinha não faz mal para ninguém.

Continuar Lendo

Bom Princípio

Festa do Moranguinho encerra primeira semana com 40 mil visitantes

Publicado

em

Se na quinta, dia 5 de setembro, Bom Princípio já dava ares de Festa do Moranguinho, com um grande esquenta com a banda Barbarella, na sexta, tudo ferveu, com mais de 10 mil pessoas abaixo (e fora) da grande arena de shows. Era o primeiro grande momento da festa, com o show de Zé Neto e Cristiano.

O sábado, que amanheceu chuvoso, impediu a realização do desfile cívico, as ser realizado em outra data, mas, o público acorreu ao parque municipal aproveitando-se dos portões abertos e entrada franca para todos. Um grande festival de bandas fez o povo dançar.

O domingo, ainda de cara fechada, poderia ser prognóstico de público pequeno, mas, o sol deu o ar da graça e as pessoas acorreram ao parque. Estandes concorridos. Muito morango, chocolate, chantilly, excelente chopp, e shows culturais variados à tarde. E o desfecho da noite se deu com Serginho Moah e depois, a magnífica banda Brilha Som.

Foi apenas o primeiro final de semana que, segundo o presidente Leandro Dewes, alcançou público de aproximadamente 40 mil pessoas. “Não se pode dar exatidão nos números, pois com o Esquenta e a entrada franca no sábado, não se tem uma contabilidade precisa da entrada de pessoas, mas, a experiência nos mostra pela ocupação do parque o público foi próximo a 40 mil pessoas. Acredito que até possa ter ultrapassado este número”, ponderou Leandro Dewes.

O prefeito Fábio Persch enalteceu os mais diferentes momentos da festa, lembrando também da celebração dos 10 anos de intercâmbio cultural com a Alemanha, de modo que representantes de Klüsserath também estiveram na festa. É claro, ficando maravilhados com tudo o que viram, afinal, o público de um final de semana de Festa do Moranguinho é 40 vezes a população da cidade irmã alemã.

Continuar Lendo

Trending