Conecte-se conosco

Cultura

Attílio Hartmann recebe título benemérito em sua terra natal

Publicado

em

“Podemos deixar a nossa terra, mas ela jamais sai de dentro da gente. Para onde quer que eu tenha ido nesta vida, e olhem, viajei muito, sempre levei São Pedro da Serra comigo. Quando digo ser do Brasil, sempre lembro da minha casa paterna”, recordou Padre Attílio Ignácio Hartmann agradecendo a honraria de cidadão benemérito de São Pedro da Serra.
Foi na noite de 3 de abril de 2018 que o jornalista e sacerdote – ou seria o contrário? – Attílio foi condecorado por uma iniciativa do vereador André Mallmann e do voto favorável de todos os vereadores da casa legislativa de São Pedro da Serra.
A sessão foi presidida por Sérgio Chies, que é vice-presidente da casa, em substituição ao vereador Luiz Hanauer, no ato de licença saúde. Ainda que afastado previamente, Hanauer acompanhou a sessão em meio à plateia, também reverenciando ao homenageado.
Sérgio Chies, conhecido pelo codinome Chedo, agradeceu a oportunidade de presidir a casa no ato tão solene e importante, desejando melhoras a Luiz. “Como presidente desta casa gostaria de saudar a todas as pessoas aqui presentes, sejam autoridades ou integrantes da comunidade. Se aqui estamos é por um motivo nobre e grandioso: homenagear um dos filhos mais conhecidos de nossa terra.
Quero parabenizar, de antemão, o vereador André Mallmann, pela iniciativa de propor esta homenagem e a saudar a todos os vereadores que a aprovaram.
Ao senhor, Padre Attílio Hartmann, além de uma placa de reconhecimento, queremos deixar todo o nosso carinho. O senhor é alguém que merece aplausos diários, mas isso não viria de encontro com a vossa modéstia.
Queremos, como câmara de vereadores, agradecer aquilo que fazes e o que representas aqui em São Pedro e em outros recantos do Rio Grande do Sul.
Muito obrigado e parabéns padre Attílio”, pontuou o presidente lembrando dos dias em que Attílio jogava futebol em meio aos jovens da comunidade e toda a sua luta pelo desenvolvimento de São Pedro.
“Para nós, filhos de São Pedro da Serra, é uma satisfação imensa, hoje, saudar este personagem tão icônico em nossas vidas. E assim, saudando ao homenageado desta noite, saúdo, também, as autoridades constituídas, familiares, amigos, comunidade e imprensa aqui representada.
Quero, de antemão, agradecer aos pares desta casa a aprovação unânime da homenagem benemérita ao cidadão Attílio Hartmann.
A homenagem prestada, aqui, não é voltada somente para o padre, mas para o ser humano. Evidente que a titulação Padre, faz parte da vida de Attílio, mas antes de ser padre era Attílio. E antes de ter o seu nome escolhido, era, ele, um Hartmann. Os pais, Germano e Ottília o puseram neste mundo, ainda que não soubessem o objetivo exato do nascimento deste seu filho. E, vejam, ele se tornou um ser humano diferenciado. Com excelente essência familiar e uma incansável busca por qualificação dos seus já vastos conhecimentos de mundo.
De bom discurso – melhor do que de qualquer um de nós aqui presentes – Attílio é muito mais do que palavras. É um homem que trabalha pela sociedade de modo prático. Não repetirei aqui o seu histórico de conquistas e grandezas, afinal, seriam horas falando. Lembro apenas que Attílio, para nós, de São Pedro da Serra, é quase tão icônico quanto nossa bandeira. Ele não representa um grupo político ou uma só família. Ele representa a todos nós. Com orgulho diz que é daqui e ajuda a escrever a nossa história a cada dia.
Obrigado amigo Attílio por tudo o que representas e fazes por esse povo. Se grande não és em tamanho, o és, sim, em atos. És merecedor de todas as homenagens e aplausos, querido amigo e cidadão benemérito de São Pedro da Serra”, citou André Mallmann em sua fala que precedeu à entrega da placa de homenagem ao padre e amigo.
A prefeita Isabel Corete Joner Cornelius, também presente ao ato, fez uso da palavra lendo discurso em homenagem ao padre Attílio e lembrando de sua importância para a comunidade de São Pedro da Serra.
O homenageado, frente à sua família e amigos, recebeu a placa de Benemérito. Attílio recordou a sua juventude em São Pedro da Serra, quando esse era apenas um distrito de Montenegro. “Sempre brinco que nasci na grande São Pedro, que tem distritos como Salvador do Sul, Barão, Linha Francesa. O fato é que, em meu coração São Pedro é gigantesco”, frisou o Sacerdote Jesuíta. De discurso único e afinado, Attílio olhou para os presentes deixando evidente que lembrava de histórias diversas de cada um dos personagens, assim como, de São Pedro da Serra. Alinhavou, em sua fala, três histórias que pareciam ser isoladas. Falou da criação do São Pedro Futebol Clube, dos grupos de teatro nas colônias alemãs e da construção do centro comunitário de São Pedro da Serra e da praça municipal. Amarrou, de tal forma, o seu discurso que tudo se curvasse, com muito bom humor, para a história de São Pedro da Serra.
Honrado, Attílio Hartmann recebeu a placa que o certifica como filho benemérito de São Pedro da Serra. Ainda que a sua certidão de nascimento aponte para Montenegro, seu coração, sempre foi e será, de São Pedro da Serra.
Os vereadores, atentos, observavam (e até invejavam) a fala de Attílio, afinal, a oratória, feito a dele, é para poucos. Em meio à plateia, com muitas cabeças já platinadas pelo tempo, ex-prefeitos, ex-vice-prefeito e vereadores de Salvador do Sul, todos eles amigos de Attílio Hartmann. Sobrinhos e sobrinhos-netos usavam de tecnologias de informação para registrar o momento de modo que o icônico padre e tio possa ter mais um registro do ato transcorrido no salão nobre da prefeitura de São Pedro da Serra. O mesmo padre e jornalista que lidava com máquinas de escrever, hoje tem sua história gravada em vídeos feitos em smartphones. Assim como evoluiu a tecnologia, o saber de Attílio também só fez crescer. Assim, que a sua conduta sirva como exemplo para as novas gerações. “Até os 25 anos vivi por aqui. Era um homem normal. Normal até demais, há testemunhas aqui. Estudei e procurei trabalhar aliado às comunidades. Hoje, olhando de longe, vejo a nossa terra tão bonita e tão evoluída. Me orgulho de São Pedro da Serra e faço gosto de voltar para cá”, frisou o padre em meio à sua fala lembrando ter sido, até, alfaiate, estando a sua responsabilidade fazer os primeiros calções do clube de São Pedro. “Mamãe dizia aber sie sind nicht zu kurz? Fazendo referência ao comprimento dos mesmos”, relatou dando risadas e lembrando dos tempos há muito idos.
Alice Cornelius, irmã do homenageado, em conversa informal depois da sessão rendeu agradecimentos à casa legislativas e, em especial, ao vereador proponente, André Mallmann.
O reconhecimento da obra de Attílio, certamente, será muito maior do que a titulação recebida em São Pedro da Serra, mas para ele, receber uma homenagem em sua terra natal tem um peso imensurável, tal qual o sentimento que tem por ela.

Continuar Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − treze =

Bom Princípio

Aulas de caipirinha na TV americana

Publicado

em

Guilherme Hoff, radicado nos Estados Unidos a mais de uma década, começou a trilhar os caminhos na Terra do Tio Sam trabalhando com carnes e fazendo bons churrascos, agora, a arte de fazer caipirinha deixou ele em destaque, inclusive, na TV.

https://www.kens5.com/video/entertainment/television/great-day-sa/signature-cocktails-steaks-by-brasao-brazilian/273-2be59f97-fb7e-4ca0-8330-53dee3020203?fbclid=IwAR1Qd8xE57svQWSSu1Zf-7tTjXQV2cwus_p5LtkriXFVLaXbaWqGORb_g64

Ao clicar no link acima, você poderá ver uma aula, em inglês, de como fazer caipirinha. Isso mesmo. Seja de morangos, limão ou abacaxi, os americanos se encantam com a bebida tipicamente brasileira. E, o melhor, com cachaça vinda do Brasil…

Ainda que os moranguinhos não sejam de Bom Princípio, remetem à terra de origem de Guilherme, fazendo, por tabela, mídia ao município que o filho de Jorge e Clarinda Hoff leva sempre consigo.

Não duvidemos que tenham aprendido a fazer caipirinha, mas falar o nome de bebida ou até da cachaça, bem, isso os americanos terão maior dificuldade. O que, importa, porém, que bebam de nossa cultura.

Continuar Lendo

Cultura

Escola Valéria Kirch chega aos 80 anos

A celebração dos 80 anos da Escola Valéria Kirch mostra que a educação segue viva!!!

Publicado

em

O EDUCANDÁRIO É MUITO MAIS DO QUE TRADIÇÃO EM SÃO JOSÉ DO SUL, SENDO PARTE DA HISTÓRIA REGIONAL

Pensar a evolução da sociedade sem que tenhamos a educação como pano de fundo é inadmissível, em especial para uma colônia de origem alemã, assim, em 1939 nascia uma comunidade escolar e, a partir dela, o desenvolvimento sustentável e gradual. Agora, passados 80 anos, com um certo quê de nostalgia e agradecimento, São José do Sul celebra as oito décadas de sua mais importante escola. E não se trata de uma mera celebração, afinal, é a conquista da própria liberdade, com os olhos no futuro, que inicia com o estudo de qualidade.

“A escola tem por missão promover um trabalho pedagógico inovador, buscando estimular a criatividade, o empreendedorismo, o desenvolvimento da autonomia, a parceria família-escola e o convívio com a diversidade, favorecendo a formação de cidadãos aptos à realidade social.”

Histórico da Escola Valéria:

1939 Fundação da Escola com o nome de Escola Municipal Felipe Camarão, em Dom Diogo Baixo. Funcionava numa construção de madeira, cuja primeira professora e Diretora foi a Senhora Valéria Maria Kirch.

1978 Transferência para Dom Diogo Alto, em um prédio de alvenaria.

1980 Transferência dos alunos da Escola São Francisco de Salles para a Felipe Camarão

1984 Implantação da 6ª série, 1985 7ª série, 1986 8ª série e 2013 transição para o 9º ano

1988 alteração do nome da Escola para Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Valéria Maria Kirch.

Este ano a escola comemora seus 80 anos e convida toda comunidade para participar deste grande evento, no dia 23/06/2019, às 14h, na sociedade Botafogo, onde teremos as seguintes atrações:

  1. Retrospectiva e Galeria de Fotos
  2. Museu
  3. Foto Lembrança Instantânea no Cenário Anos 80
  4. Túnel do Tempo
  5. Brinquedos do Recreio de Antigamente
  6. Visitas Guiadas até a Escola
  7. Padrinho e Madrinha da

Fogueira dos 80 Anos

  • Venda de Camisetas e Tiaras Personalizadas
  • Café Colonial

1ª Escola Felipe Camarão ao lado da casa de Imelda Gabbardo

Escola Felipe Camarão no Centro e Escola São Francisco de Salles

1ª Ampliação da Escola Felipe Camarão

Alteração do nome de Felipe Camarão para Profª Valéria Maria Kirch

Escola Atual

1ª Diretora Valéria Maria Kirch

1ª Turma de Alunos com a Profª Valéria

Galeria de Diretores da Escola

São Francisco de Salles 1980 – Transferência dos alunos para Escola Felipe Camarão
Felipe Camarão – 1984
Primeira turma de formandos com a professora Valéria

Continuar Lendo

Cultura

Oktoberfest tem nova corte

Publicado

em

Tudo bem que é uma festa com ares alemães, mas uma corte com os sobrenomes de Muxkopf, Grub e Kunzler, convenhamos, é algo tão germânico que até os alemães haveriam de se surpreender. Isso que estamos falando da Oktoberfest de Maratá, em um pequeno recanto brasileiro de nome Maratá.

A rainha Vanessa Muxkopf e as princesas Micaela Grub e Neiva Kunzler foram escolhidas na noite de sábado, 25 de maio, sob a curiosa observância de mais de 1 mil pessoas. O pano de fundo, claro, um belo vilarejo alemão, de modo que fosse criado uma ponte invisível com o velho continente. O prefeito Fernando Schrammel teve a incumbência de dar início à festa, estourando um Bierfass, e propondo um brinde à toda a comunidade.

Emoções não faltaram, e diferente não poderia ser. Foi eleita também, na noite, a corte mirim da festa. A valorização dos costumes inicia ainda entre os pequenos assim, a Kleine Königin Oktoberfest é Halana Dalcin, eleita com 8.642 votos, enquanto a 1ª Kleine Prinzessin é Djenifer Rafaeli da Rosa, a 2ª Kleine Prinzessin Oktoberfest é Pâmela Führ Kirsten e a Kleine Sympathie é Yasmin Martins.

As soberanas receberam suas faixas e coroas daquelas que reinaram na 14ª Oktoberfest, a Rainha Larissa Grub e as Princesas Deisi Braun e Gabriela Schreiner que realizaram um emocionante desfile de despedida. Epa, calma. Grub entregando faixa e Grub recebendo faixa? Sim, a beleza é familiar, afinal, Larissa e Micaela são irmãs.

Os relatos de emoções foram emoldurados pelas falas Graziela da Motta e de Júlio César Schenkel Hanauer que estiveram à frente do protocolo. Nervoso, sim, mas movido pela emoção, Júlio, ao ver o nome da ganhadora sabia que tudo o que ele sentira era uma gotícula do que a rainha anunciada sentiria.

Vanessa Muxkopf havia sido candidata há algum tempo e não obtivera o êxito sonhado. Resolvera que buscaria novamente a coroa e a honraria de representar Maratá e sua maior festa. Redobrara estudos e esforços. Fora ela mesma na essência de ser e, desta vez, aos jurados conquistou, sendo merecedora da coroa, da faixa e do buquê de rainha, algo que tanto almejava.

Na noite do baile teve também o anúncio de parte da programação da 15ª Oktoberfest de Maratá. Destaque para o show nacional de Bruno & Barreto no dia 5 de outubro.

Passado o baile de escolha, as eleitas, terão a missão de divulgar e representar a 15ª Oktoberfest de Maratá, que cada vez fortalece mais a cultura e as tradições germânicas, e proporciona muita alegria e diversão aos participantes. O evento acontecerá nos dias 4, 5, 6 e 11,12,13 de outubro deste ano, no Parque Municipal da Oktoberfest, é claro, fazendo jus à tradição e ao sobrenome teuto das três eleitas. Será mais germânico do que nunca. Jetzt geht’s los!!!

Foto: Eduardo Kleinschmitt/Prefeitura

Texto: Alex Steffen/Jornal Qtal

Continuar Lendo

Trending