Conecte-se conosco

Feliz

Doutor Paulo Caye é homenageado pela Amvarc e pelo Codevarc

Publicado

em

Anualmente a Associação dos Municípios do Vale do Caí (Amvarc) e o Conselho de Desenvolvimento do Vale do Rio Caí (Codevarc) fazem eventos de final de ano e neste rendem homenagem a personagens que marcaram a história com o seu trabalho.

Segundo Alzir Bach, presidente do Codevarc, a opção é render homenagem às pessoas ainda em vida, para que possam ser reconhecidas por seus atos. “Uma homenagem em vida é muito mais digna e justa de modo que há grandes personagens responsáveis pelo progresso da região e que ainda estão entre nós”, destacou Bach. Em anos anteriores foram homenageados Arno Eugênio Carrard (pai das emancipações municipais) e Valério Calliari (ex-prefeito de Salvador do Sul e de Barão, que foi o primeiro presidente da Amvarc).

Na reunião de final de ano da entidade, em 2020, seria prestada homenagem a Liceu Paulo Caye, mas por conta do distanciamento social, o médico e político de Feliz, optou por não participar do ato. A homenagem, ainda assim, foi realizada, de modo que Alzir e o prefeito de Feliz, Albano Kunrath, fossem à casa de Caye fazer a entrega da placa que o saúda como ícone regional.

Doutor Paulo, como é mais conhecido, foi três vezes prefeito de Feliz, de modo que no primeiro dos mandatos tenha sido também prefeito em Alto Feliz, Linha Nova e Vale Real, ainda não emancipados na época.

QUEM É DOUTOR PAULO?

Mudar os rumos da vida, de mala e cuia, parecia destino para o garoto Liceu Paulo Caye. Afinal, com três meses de vida apenas, foi no colo dos pais para Lajeado, deixando no passado a cidade de Santa Cruz do Sul, sua terra natal.
Quando crescia em sabedoria decidiu mudar-se para Porto Alegre em busca de sua formação profissional. Queria mesmo era ser médico e foi estudar na Universidade de Federal do Rio Grande do Sul, sendo um dos alunos de melhor nota entre todos os seus colegas. Poderia ter ido trabalhar nos Estados Unidos, tal era o seu destaque entre a turma, todavia o seu desejo era voltar para Lajeado para exercer ali a sua profissão. Mas quis o destino que uma nova mudança de endereço ocorresse, desta vez definitiva.
Ia-se o ano de 1968 e o jovem médico era convidado para vir à cidade de Feliz, para substituir Théo Tássilo Schlatter em suas férias que iriam durar 60 dias. Era garoto de vinte e poucos anos mas sabia muito bem o que queria da vida.
Em primeiro momento, assustou-se ao ver que na cidade de Feliz. Água potável não havia, a energia elétrica era insuficiente e a telefonia ultrapassada. A realidade do jovem que estudara em Porto Alegre era bem diferente agora, pois Feliz não tinha nem ao menos acesso asfáltico. O que seriam apenas dois meses de trabalho se tornou dois anos, duas décadas, enfim, uma vida. Foi na cidade de Feliz que casou com Magdalena Müller e teve seus filhos, Carlos e Luiza. Foi também neste recanto interiorano que ajudou a por no mundo milhares de crianças, não se importando se as pessoas tivessem dinheiro ou não para os atendimentos necessários. Antes de mais nada, Doutor Paulo era humano, e assim foi aceito na cidade de Feliz como se dela fosse filho nato.
Os anos se passaram e, em 1982, formou, com Clóvis Assmann, a chapa vitoriosa no pleito eleitoral assumindo um novo desafio em sua vida: ser prefeito de uma cidade com pouca infraestrutura básica. Acumulando as tarefas de médico com as de prefeito, o desafio foi vencido com muito trabalho. Seu dia parecia ter mais do que 24 horas, tanto que alguns se perguntavam, “mas quando é que este homem descansa?”. Empresas foram atraídas para a cidade e para o interior, luz, água e telefonia não eram mais um sonho, mas sim uma realidade. Durante seis anos geriu o município com a sabedoria que lhe foi concedida por Deus e aprimorada durante a vida.
Em 1992 voltou a concorrer e vencer, sendo eleito prefeito pela segunda vez. Desta vez tendo por vice-prefeito Pedro Martini Neto. Naquele mandato de quatro anos, primou por obras nos setores de saúde e educação, para abranger as mais diversas comunidades. Foi neste período em que Feliz não era mais tão grande – Vale Real, Alto Feliz e Linha Nova haviam se emancipado – que cresceu muito a autoestima do povo e as empresas locais pareciam cada vez mais pujantes.
Em 2001, na entrada do novo milênio, lá estava o mesmo Doutor Paulo, não mais com o vigor do primeiro mandato, mas ainda eficaz. Apesar de ainda dividir o seu tempo entre prefeitura e hospital (que estava em situação muito precária). Traçou prioridades para o seu mandato, já que Feliz estava mergulhada em séria crise econômica após o fechamento das gigantes Parmalat e Antárctica, alguns anos antes.  Com muita labuta e ajuda de sua equipe de trabalho, no qual o vice-prefeito era Darcísio Inácio Braun, conseguiu dar dinamismo à administração, procurando pagar as muitas dívidas pendentes ao longo das décadas. Terminou o seu mandato com a aquisição e a equipagem do prédio do Hospital Schlatter, como também com a implantação da Hidrojet, que hoje é uma das mais importantes indústrias da região.
Ainda na vida pública, Liceu Paulo Caye foi presidente do Corede Vale do Caí e da Amvarc, tendo tomado a frente de vários empreendimentos de grande importância no desenvolvimento regional e até mesmo estadual. Ponderado e de poucas palavras – porém precisas – o Doutor Paulo tem um grande número de amigos e seguidores e é reconhecido por tudo o que fez por uma cidade.
Caye, viúvo de Magdalena, hoje é casado com Susana Ludwig,  com a qual tem a filha Amanda. Vive na cidade de Feliz e continua o seu ofício de médico, tendo no coração uma certeza: É nascido em Santa Cruz do Sul (em 17 de maio de 1942 sendo filho de Carlos Armindo e Olmira Ludwina Caye), criado em Lajeado, formado em Porto Alegre, mas tem na Feliz a sua terra, o seu cantinho, o seu lar, sendo cidadão honorário do município.
A homenagem feita ao médico e político é, por certo, muito justa, afinal, o seu trabalho não foi apenas em favor de Feliz, mas da região como um todo, tendo estreitos laços com os governadores do Estado, com os quais atraiu investimentos para o vale do Caí, dentre os quais as ligações asfálticas que fazem da região uma das mais desenvolvidas do território nacional.
Crédito Fotografia: Jornal Primeira Hora

Continuar Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × cinco =

Alto Feliz

Bom Princípio, Feliz e Alto Feliz são destaque nacional

Publicado

em

Eis que o Rio Grande do Sul se mostra cada vez mais diferenciado em nível nacional. Foi divulgado nesta semana um ranking dos municípios referente à qualidade de informação fiscal e contábil sendo elencados os 100 mais bem colocados municípios, dos quais 51, isso é, mais da metade, são gaúchos. E, não é de impressionar, que dentre eles estejam três do Vale do Caí: Alto Feliz, Bom Princípio e Feliz.

O ranking listado pelo Ministério da Economia, deu grande destaque para municípios da região. O pequeno Alto Feliz aparece com nota 244,021, sendo o primeiro da região e um dos 30 primeiros do Brasil. Feliz (com nota 243,080) e Bom Princípio (nota 241,839) também estão na listagem nacional.

O ranking foi criado para avaliar a consistência da informação que o Tesouro Nacional recebe através do Siconfi e, consequentemente, disponibilizado para acesso público. Os municípios mais destacados tornam-se referência para os demais devendo o exemplo dos mesmos serem seguidos.

A primeira, Gestão da Informação, reúne as verificações que analisam o comportamento do ente federativo no envio e manutenção das informações no Siconfi. A segunda, Informações Contábeis, compreende as verificações que avaliam os dados contábeis recebidos em relação à adequação às regras do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – MCASP, consistência entre os demonstrativos, entre outros. Na terceira dimensão, Informações Fiscais, são agrupadas as verificações pertinentes à análise dos dados fiscais contidos nas declarações. A última, Informações Contábeis x Informações Fiscais, efetua o cruzamento entre os dados contábeis e fiscais avaliando principalmente a igualdade de valores entre demonstrativos diferentes.

Apesar de considerar o ranking da STN uma iniciativa importante para demonstrar como os contadores e contabilistas municipais estão conseguindo atender às frequentes mudanças estabelecidas pelo órgão regulador central, a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) entende que mais do que destacar os Municípios bem posicionados, é necessário compreender os gargalos que impedem que todos alcancem os resultados desejados.

O desenvolvimento de ações internas de uma prefeitura tem reflexo em números, raramente de conhecimento da comunidade como um todo. Assim, com a revelação dos números do tesouro nacional, através do Ranking, fica evidenciada a seriedade de gestão das mesmas. Trata-se de um trabalho de equipe, onde todos os servidores assumem responsabilidades e cumprem os seus papeis à risca, de modo que a gestão preencha os princípios constitucionais.

 

Confira mais dados neste link

Ranking (tesouro.gov.br)

Continuar Lendo

Feliz

Junior e Nego quebram hegemonia na Feliz

Publicado

em

Um dos candidatos mais jovens a prefeito no Vale do Caí, Junior Freiberger, 37 anos, foi eleito prefeito de Feliz para o próximo quadriênio. Tendo ao seu lado Jairo “Nego” Nienow, Junior buscará colocar em prática os conhecimentos de trabalho na prefeitura, onde atuou por alguns anos, e também a sua formação superior em gestão pública.

Junior fez 4890 votos, Nélson Martiny 2950 e Paulo Hahn 903 . Esta foi uma das únicas eleições da região com três candidatos (também houve em Montenegro).

PSD e PP, partidos que apoiaram Junior e Nego, também fizeram a maioria na Câmara elegendo, Pedro Vitor Martini (o recordista de votos), Antônio Winter, Henrique Petry, Valdecir Kronitzky e Cláudio Preto. O MDB elegeu Branquinho, Ronie Simon e Tiela Zimmer. O PDT elegeu Joseane Hahn.

Fatos marcantes na eleição proporcional é a votação de PV Martini, com 702 votos, além da eleição de duas mulheres. Na história de Feliz, no começo da década de 1980, Glorinha Gauer foi a primeira mulher eleita. Depois, apenas 2016 houve a eleição de Joseane. Agora ela se reelegeu e Tiela também teve êxito. “Meu pai (Pit Martini) olhava de cima para mim e me acompanhou cada dia da campanha”, destacou PV falando do finado pai que já fora vice-prefeito de Feliz.

A jovem dupla do executivo, Junior e Nego, tem em vista reformular o estilo de gestão de Feliz, depois de 16 anos de mandato do MDB, trazendo uma nova ótica de gestão. Junior que é formado em gestão pública acredita no planejamento estratégico como possibilidade de crescimento sustentado para Feliz.

O trabalho de marketing da campanha, feito por jovens que conhecem a identidade de Feliz, foi um dos pontos altos da campanha alegre e com apelo emocional.

Continuar Lendo

Feliz

Poéticas de Primavera

Publicado

em

O projeto Experiências de leitura em espaços de crise, do IFRS, campus Feliz, em virtude da suspensão presencial de suas atividades, procura levar a palavra em forma de arte até a comunidade, de maneiras diferentes da habitual. Assim, com a aproximação da primavera e toda sua beleza, encanto e esperança de que dias melhores já despontam, o projeto desenvolve a ação intitulada “Poéticas de Primavera”. Tratam-se de textos poéticos tanto de autoria dos alunos do campus como também de autores renomados da Literatura Universal, interpretados por diferentes vozes da nossa comunidade e que podem ser ouvidos ao acessarem o código QR abaixo.

 

Continuar Lendo

Trending