Conecte-se conosco

Cultura

Escola Valéria Kirch chega aos 80 anos

A celebração dos 80 anos da Escola Valéria Kirch mostra que a educação segue viva!!!

Publicado

em

O EDUCANDÁRIO É MUITO MAIS DO QUE TRADIÇÃO EM SÃO JOSÉ DO SUL, SENDO PARTE DA HISTÓRIA REGIONAL

Pensar a evolução da sociedade sem que tenhamos a educação como pano de fundo é inadmissível, em especial para uma colônia de origem alemã, assim, em 1939 nascia uma comunidade escolar e, a partir dela, o desenvolvimento sustentável e gradual. Agora, passados 80 anos, com um certo quê de nostalgia e agradecimento, São José do Sul celebra as oito décadas de sua mais importante escola. E não se trata de uma mera celebração, afinal, é a conquista da própria liberdade, com os olhos no futuro, que inicia com o estudo de qualidade.

“A escola tem por missão promover um trabalho pedagógico inovador, buscando estimular a criatividade, o empreendedorismo, o desenvolvimento da autonomia, a parceria família-escola e o convívio com a diversidade, favorecendo a formação de cidadãos aptos à realidade social.”

Histórico da Escola Valéria:

1939 Fundação da Escola com o nome de Escola Municipal Felipe Camarão, em Dom Diogo Baixo. Funcionava numa construção de madeira, cuja primeira professora e Diretora foi a Senhora Valéria Maria Kirch.

1978 Transferência para Dom Diogo Alto, em um prédio de alvenaria.

1980 Transferência dos alunos da Escola São Francisco de Salles para a Felipe Camarão

1984 Implantação da 6ª série, 1985 7ª série, 1986 8ª série e 2013 transição para o 9º ano

1988 alteração do nome da Escola para Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Valéria Maria Kirch.

Este ano a escola comemora seus 80 anos e convida toda comunidade para participar deste grande evento, no dia 23/06/2019, às 14h, na sociedade Botafogo, onde teremos as seguintes atrações:

  1. Retrospectiva e Galeria de Fotos
  2. Museu
  3. Foto Lembrança Instantânea no Cenário Anos 80
  4. Túnel do Tempo
  5. Brinquedos do Recreio de Antigamente
  6. Visitas Guiadas até a Escola
  7. Padrinho e Madrinha da

Fogueira dos 80 Anos

  • Venda de Camisetas e Tiaras Personalizadas
  • Café Colonial

1ª Escola Felipe Camarão ao lado da casa de Imelda Gabbardo

Escola Felipe Camarão no Centro e Escola São Francisco de Salles

1ª Ampliação da Escola Felipe Camarão

Alteração do nome de Felipe Camarão para Profª Valéria Maria Kirch

Escola Atual

1ª Diretora Valéria Maria Kirch

1ª Turma de Alunos com a Profª Valéria

Galeria de Diretores da Escola

São Francisco de Salles 1980 – Transferência dos alunos para Escola Felipe Camarão
Felipe Camarão – 1984
Primeira turma de formandos com a professora Valéria

Continuar Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + vinte =

Bom Princípio

Aulas de caipirinha na TV americana

Publicado

em

Guilherme Hoff, radicado nos Estados Unidos a mais de uma década, começou a trilhar os caminhos na Terra do Tio Sam trabalhando com carnes e fazendo bons churrascos, agora, a arte de fazer caipirinha deixou ele em destaque, inclusive, na TV.

https://www.kens5.com/video/entertainment/television/great-day-sa/signature-cocktails-steaks-by-brasao-brazilian/273-2be59f97-fb7e-4ca0-8330-53dee3020203?fbclid=IwAR1Qd8xE57svQWSSu1Zf-7tTjXQV2cwus_p5LtkriXFVLaXbaWqGORb_g64

Ao clicar no link acima, você poderá ver uma aula, em inglês, de como fazer caipirinha. Isso mesmo. Seja de morangos, limão ou abacaxi, os americanos se encantam com a bebida tipicamente brasileira. E, o melhor, com cachaça vinda do Brasil…

Ainda que os moranguinhos não sejam de Bom Princípio, remetem à terra de origem de Guilherme, fazendo, por tabela, mídia ao município que o filho de Jorge e Clarinda Hoff leva sempre consigo.

Não duvidemos que tenham aprendido a fazer caipirinha, mas falar o nome de bebida ou até da cachaça, bem, isso os americanos terão maior dificuldade. O que, importa, porém, que bebam de nossa cultura.

Continuar Lendo

Cultura

Oktoberfest tem nova corte

Publicado

em

Tudo bem que é uma festa com ares alemães, mas uma corte com os sobrenomes de Muxkopf, Grub e Kunzler, convenhamos, é algo tão germânico que até os alemães haveriam de se surpreender. Isso que estamos falando da Oktoberfest de Maratá, em um pequeno recanto brasileiro de nome Maratá.

A rainha Vanessa Muxkopf e as princesas Micaela Grub e Neiva Kunzler foram escolhidas na noite de sábado, 25 de maio, sob a curiosa observância de mais de 1 mil pessoas. O pano de fundo, claro, um belo vilarejo alemão, de modo que fosse criado uma ponte invisível com o velho continente. O prefeito Fernando Schrammel teve a incumbência de dar início à festa, estourando um Bierfass, e propondo um brinde à toda a comunidade.

Emoções não faltaram, e diferente não poderia ser. Foi eleita também, na noite, a corte mirim da festa. A valorização dos costumes inicia ainda entre os pequenos assim, a Kleine Königin Oktoberfest é Halana Dalcin, eleita com 8.642 votos, enquanto a 1ª Kleine Prinzessin é Djenifer Rafaeli da Rosa, a 2ª Kleine Prinzessin Oktoberfest é Pâmela Führ Kirsten e a Kleine Sympathie é Yasmin Martins.

As soberanas receberam suas faixas e coroas daquelas que reinaram na 14ª Oktoberfest, a Rainha Larissa Grub e as Princesas Deisi Braun e Gabriela Schreiner que realizaram um emocionante desfile de despedida. Epa, calma. Grub entregando faixa e Grub recebendo faixa? Sim, a beleza é familiar, afinal, Larissa e Micaela são irmãs.

Os relatos de emoções foram emoldurados pelas falas Graziela da Motta e de Júlio César Schenkel Hanauer que estiveram à frente do protocolo. Nervoso, sim, mas movido pela emoção, Júlio, ao ver o nome da ganhadora sabia que tudo o que ele sentira era uma gotícula do que a rainha anunciada sentiria.

Vanessa Muxkopf havia sido candidata há algum tempo e não obtivera o êxito sonhado. Resolvera que buscaria novamente a coroa e a honraria de representar Maratá e sua maior festa. Redobrara estudos e esforços. Fora ela mesma na essência de ser e, desta vez, aos jurados conquistou, sendo merecedora da coroa, da faixa e do buquê de rainha, algo que tanto almejava.

Na noite do baile teve também o anúncio de parte da programação da 15ª Oktoberfest de Maratá. Destaque para o show nacional de Bruno & Barreto no dia 5 de outubro.

Passado o baile de escolha, as eleitas, terão a missão de divulgar e representar a 15ª Oktoberfest de Maratá, que cada vez fortalece mais a cultura e as tradições germânicas, e proporciona muita alegria e diversão aos participantes. O evento acontecerá nos dias 4, 5, 6 e 11,12,13 de outubro deste ano, no Parque Municipal da Oktoberfest, é claro, fazendo jus à tradição e ao sobrenome teuto das três eleitas. Será mais germânico do que nunca. Jetzt geht’s los!!!

Foto: Eduardo Kleinschmitt/Prefeitura

Texto: Alex Steffen/Jornal Qtal

Continuar Lendo

Bom Princípio

Apresentações celebram novos ares no Bom Fim

Publicado

em

A história contada na noite de 24 de maio de 2019 despertou um certo quê de nostalgia no Bom Fim Alto. E começou a ser versada a partir de 1924, quando da criação da pequena escola rural, em um tempo antes da grande Guerra Mundial, sendo as aulas ainda ministradas em alemão.

Uma quase centenária história foi contada em poucos minutos, mas pela quantidade de entrelinhas, ficou evidente, que haveria necessidade de longas horas para interpretar os sentimentos daqueles que ali estavam. A escola José de Anchieta, da localidade de Bom Fim Alto, mais do que uma estrutura física é a alma da comunidade, afinal, em torno dela a vida se fez e faz.

Com a presença de autoridades municipais, dentre os quais o prefeito Fábio Persch, os secretário municipais, o presidente da câmara de vereadores, João Augusto Rodrigues da Silva, é merecido o destaque a dois jovens políticos. Os vereadores Fábio Juwer e Reges Junges, filhos da comunidade de Bom Princípio, da palavra não fizeram uso, mas necessário não seria, pois seus olhos e sorrisos deixavam evidente o que representava aquela escola para eles.

A história da educação no Bom Fim Alto iniciou em 1924, com aulas em alemão. Os pequenos alunos de hoje, com um tanto de vergonha, encenavam em alemão, todavia, sem a timidez rural que era marca dos filhos dos colonos que tinham, na escola, sua única oportunidade de ver um mundo novo.

Em 1987, quando Bom Princípio estava emancipado há apenas meia década, foi construída uma escola nova. E, qual não era a curiosidade em ver o professor de então, de nome Plínio Gattermann, chegar ao educandário a bordo de sua bicicleta. E da escola, como desportista que era, ia jogar futebol com os alunos. Era uma maneira de cativar.

Veio então a profissionalização e confiança na qualidade do ensino, com o investimento nas pesquisas, sendo trabalhos do Bom Fim Alto, também destacados em mostras de ensino. Os tempos haviam mudado, mas a escolinha continuava a mesma. Em 2014 iniciava a construção do novo prédio. Parecia que o sonho iria se realizar rapidamente. Tijolos foram empilhados. O telhado colocado. Uma inauguração realizada em 2016, mas, para que as aulas iniciassem ainda faltava muito. A escola ainda não tinha vida. Havia problemas estruturais na obra em si, mas, foram resolvidos de maneira gradual até que, enfim, 2019 chegou e tudo estava pronto para receber os alunos. Poderia ter sido realizada outra solenidade de inauguração. Mas, não, as aulas simplesmente iniciaram graças ao esforço da administração municipal, dos professores, dos servidores, do CPM e, também, dos alunos.

Em sua fala, a professora e diretora Marli Schneider falava com regência cardíaca. Antes de mais nada rendeu gratidão a todos que se comprometeram com a escola. Homenageou alunos e professores. Agradeceu a toda sua equipe e ao CPM. Parabenizou a administração municipal. Conteve as lágrimas, mas a torrente de sentimento haveria surgir do seu rosto quando, momentos depois, faria o descerro de placa que marcava o início das aulas de fato.

O presidente da câmara, João Augusto Rodrigues da Silva, que falou depois da bênção do padre Eduardo Botega, citou as palavras de outro sacerdote (Rogério Schlindwein), alegando que uma gestão municipal não precisa fazer obras monumentais, mas, para que tenha sucesso, precisa investir nas famílias, valorizar a fé, e construir sociedade a partir da educação. “A valorização do ser humano pode ser percebida aqui, pois alunos e professores preenchem os espaços, dando vida a este local”, pontuou João Rodrigues.

O prefeito Fábio Persch, por sua vez, abriu mão de um discurso formal e elaborado para, com puro sentimento, voltar ao passado. Lembrando das visitas ao seu padrinho e primos, no Bom Fim, recordou dos dias de estrada de chão e dificuldades, mas também, de tudo o que representava a escola José de Anchieta para esta pequena comunidade. Saudou esforços de todos para a construção do prédio e não entrou em detalhes quanto aos entraves encontrados para, de fato, tornar aquele espaço em uma escola de fato. “Vejo aqui professores maravilhosos. Excelentes. E isso tudo se reflete nos alunos. O comprometimento que tivemos em colocar esta escola em funcionamento é muito maior por parte da comunidade escolar, pois todos vivem este ambiente. Estamos, como administração, muito felizes, vendo este prédio funcionando como deveria. E vibramos em saber que o tempo, que já mudou a comunidade de Bom Fim Alto, continuará passando e apresentando melhorias pela força da sua comunidade. Ficamos, como administração municipal e como pessoas a disposição da educação e da evolução”, destacou o prefeito Fábio Persch falando em nome da administração como um todo.

Veio depois do descerro da faixa que marcava a entrega do prédio à comunidade, agora com vida, sendo cada centavo investido, devidamente, justificado. O som da insistente chuva de outono que caia dera lugar a aplausos e a vibração de todos, em especial alunos, que agora têm um espaço adequado.

E a torrente de gotas que rolavam, desta vez, se transferia para os rostos da diretora Marli Schneider e da secretária da Educação, Vanessa Fribel de Quadros Steffen, quando do descerro da placa simbólica. Estava ali representava todo o esforço feito para que uma escola, antes de pedras, fosse agora, recheada de vida, amor e comprometimento.

Depois, bem no meio da escola, uma celebração multicultural, com apresentação da Lustigen Takt Orchester, vinda da região de Santa Fé, na Argentina, fazendo um mix de culturas, irmanadas pela cultura teuto-sul-americana.

Evidenciado ficou que, uma escola, é muito mais do que um encontro de materiais de construção. Precisa ela ser formada de pessoas comprometidas, sendo o reboco recoberto não apenas por cores, mas por dedicação, entrega, doação e incondicional paixão. Tal o patrono do educandário fazia, através de seu ministério de fé e comprometimento com o saber, cada pessoa que ali passar deve entregar um pouco do melhor que há em si. José de Anchieta deve ser mais do que um nome, mas a pura inspiração de que somente a educação pode revolucionar uma sociedade carente de saber.

Continuar Lendo

Trending